9 de dezembro de 2016

quando tu achavas que 2016 já te tinha mostrado tudo?

Eis que surge a moda das pochetes.

Eu não entendo isso.
Já nos tínhamos despedido das pochetes nos anos 80 e ficamos quase 40 anos a recuperar-nos emocionalmente disso, felizmente não havia instagram e facebook para registar o triste espectáculo.
Agora os miúdos que andam aí a tentar ficar na moda vão passar pelo mesmo.

Acho que há coisas, que a história deveria evitar ao máximo e as pochetes são, definitivamente, uma delas.

Só se entende as money belts, primas afastadas, que nos ajudam a esconder o dinheiro quando viajamos. E mesmo assim, muito cuidado para que ninguém as veja.

Estou a repensar, seriamente, o meu relacionamento com a Zara.
Para não acharem que só a zara é que perdeu as estribeiras, vejam lá a imagem da chanel.

Só por causa desta vou deixar de comprar na chanel durante 1 mês para ver se eles aprendem uma lição.




8 de dezembro de 2016

Sério mesmo?


A mulher que fez o upload dessa imagem, no facebook, Carlotta Trevisan, teve a sua conta do facebook cancelada.
why?
É muito óbvio (só que não). Simples assim, ela publicou a foto para assinalar o dia internacional contra a homofobia e a transfobia. Alguns malucos acharam a imagem muito obscena e fizeram denúncia. Posto isto, o sr. facebook, sim acho porreiro transformar a coisa num sujeito, fica mais pessoal, voltando, posto isto o sr. pediu gentilmente que a Carlotta retirasse a foto porque feria as normas de nudez e pornografia. A senhora recusou-se.
Por se ter portado muito mal, e por ter dito não, ela teve o seu perfil cancelado.

#dizquesimparecequenão

PS. precisamos aprender que quando uma mulher diz não é não, ok, sr.facebook? o sr violou o direito dela à livre expressão.

Update

Muita coisa mudou desde o início dos blogues.
Muitos blogues viraram portais e fontes de renda.
A maioria dos blogues que eu seguia ou lia já não existem ou migraram para outros formatos.
Viraram um Twitter ou transformaram-se num negócio.
Negócios que acabam por ficar engessados na fórmula mágica do fazer dinheiro.
Muita da originalidade foi-se.
Sei que hoje a humanidade já não dispõe-se de tanto tempo para ler.
Somos constantemente seduzidos pelo ímpeto de ver as notícias e o facebook e o Instagram e ouvir música e responder às mensagens no WhatsApp e de clicar nas notificações do iPhone.
Alguns dos blogues mais lidos são de memes ou de vídeos.
esta frase, por  exemplo, não será lida. Hoje lêem-se apenas os títulos e os textos que tenham títulos que comecem com:
Os 6 motivos pelos quais você deve viajar sozinho
As 10 atitudes de tem sucesso na vida
Portanto, tópicos, memes, fotos ou vídeos.
Não se quer algo demorado ou duradouro.
Veja-se o fenômeno do snapchat.

Bom, Escrevo para me ler daqui a uns anos.
O aqui é um diário, até que se prove o contrário.
E ainda há por aí alguns cantos vou tentar desbrava-los.


26 de novembro de 2016

Morreu a máquina do tempo!



O Fidel é uma daquelas figuras que fazem parte da história.
Mas a morte dele significa que o tempo passou e que afinal não somos imortais.

A minha opinião sobre ele é muito dividida.

Gosto do Fidel pela utopia, pela educação, pela saúde, pela arte, pela riqueza cultural. Não gosto do que foi inflingido ao Reinaldo arenas, e aos atletas que fugiram e aos que morreram na travessia para Miami e a tantos outros que tiveram as mesmas limitações e foram obrigados a sair da sua cuba libre, por não serem livres.
Não gosto dele pelo que teve que viver o Pedro Ruan Gutierrez para escrever a trilogia suja de Havana, mas adorei ler aquela realidade naquelas palavras sujas como é a Havana do Fidel, aquela que não conheço.

Mas a realidade é que há figuras que definem o espírito do tempo. E, para bem ou para mal ele era uma das figuras que definiam o tempo. Representava um tempo em que havia os maus e os bons e em que normalmente eram dois lados.
Agora há 500 tons de cinza e fazem filmes sobre as outras nuances e tudo é muito rápido, tão rápido que até o Fidel morreu e não tive tempo de ir a cuba.
Essa cuba, a cuba libre, também morreu. Nasce outra. E vamos todos (vamos?) achar uma maravilha as melhorias e a evolução imobiliária e comercial que sabemos que terão lugar nesse novo País. E todos, ao mesmo tempo, teremos saudades dessa cuba, a cuba do Fidel, a Cuba que eu conheço sem ter visitado, a cuba do que poderia ter sido.
A cuba onde o tempo parou durante um instante em que se podia ver o passado.
A cuba da pintura esmaecida, dos carros, a cuba do rum a cuba em que as putas são formadas.

Sobre cuba, quem foi foi, quem não foi vai ler nos livros e perguntar aos que foram.
E tu, foste à cuba do Fidel?